Título Original: This Raging Light

Autor(a): Estelle Laure

Editora: Arqueiro

Número de Páginas: 208

Ano: 2016

A vida de Lucille não poderia estar mais complicada do que no momento, do alto de seus 17 anos. Alguns anos atrás, o pai dela foi internado em uma clínica para pessoas com doenças mentais, e, desde então, a mãe nunca mais foi a mesma; cuidava de Lu e de sua irmã menor, Wrenny, contudo sempre aparentava estar cabisbaixa, deprimida. Um dia, ela simplesmente avisa para as filhas que irá viajar por duas semanas, tirar uma folga, e deixa as duas em casa, sozinhas, com a vizinha como contato de emergência. Porém, mais de 14 dias se passam e ela não volta.

A única notícia que Lucille e sua irmãzinha receberam da mãe nesse período foi uma mera nota de 100 dólares, enviada pelo correio - nada mais, nem uma palavra sobre como ela estava ou quando voltaria. Lu logo percebe que elas não conseguirão sobreviver apenas com essa quantia até a mãe decidir voltar, e enquanto leva Wren para brincar no parquinho, considera o que fará. Lá, ela conhece e começa a conversar com a irmã da amiguinha de Wrenny, Shane, porém é cuidadosa ao mencionar a mãe.


As duas acabam chegando no assunto trabalho, e Shane menciona que há uma vaga em um restaurante bastante conhecido na cidade, o Fred's. A ideia de ser uma empregada no local não parece muito agradável para Lu, mas ela tem poucas opções, já que o pouco dinheiro que tem está acabando, e precisa sustentar a si própria e a irmã - caso contrário, alguém poderia notar que algo estava errado, e a assistência social acabaria levando Wren -, então diz à Shane que irá se candidatar.

A única pessoa com quem pode realmente contar no momento é Eden, sua melhor amiga, que sabe da situação de Lucille com a mãe, e se dispõe a ajudá-la, até mesmo cuidando de Wren se necessário. Porém, para piorar a sua situação, Lu está apaixonada pelo irmão gêmeo de Eden, Digby, só que ele tem namorada. Entretanto, Digby acaba descobrindo que a mãe de Lucille simplesmente deixou ela e sua irmã sozinhas, sem quase nenhum recurso, e se compromete a ajudá-las também. Talvez com isso, tudo de ruim que está acontecendo na vida de Lucille no momento, possa começar a melhorar.


Um dos principais motivos que me fez solicitar Essa luz tão Brilhante como cortesia para a Arqueiro foi a sinopse - além da capa linda, claro, haha. Não necessariamente o resumo do livro, mas o que ele prometia: uma garota de 17 anos com uma irmã menor, que, de uma hora para outra se vê sozinha, basicamente não pode contar com ninguém além de si mesma, e lida com isso. Não vou dizer que o livro decepcionou nesse quesito, mas também não foi bem o que eu esperava.


Para mim, a sinopse dá a entender que esse seria um livro mais dramático, talvez até um pouco pesado, contaria uma história de luta e drama, mas a trama na verdade é bem leve. Alguns problemas que a personagem principal tem são resolvidos de maneira fácil, do tipo "não acontece na vida real", e também tive a impressão de que, por vezes, a autora foca muito no provável romance entre Lu e Digby, quando eu esperava mais problemas domésticos, ou pessoas com a intenção de bagunçar a vida de Lu e Wrenny.

Por falar em Lu e Wrenny, elas são demais. Na verdade, achei todos os personagens do livro bem construídos e super originais, um mega ponto positivo para a Estelle. Por falar nisso, acho que famílias de ruivos devem ser geneticamente mais legais ou algo do gênero, pois Eden, Digby e a mãe deles são uns amores. Até achei Eden mais interessante do que o irmão dela, que faz o tipo meio caladão, pois ela tem uma vibe de "não mexa comigo", mas sabe ser um amor (mesmo que uma atitude dela tenha sido bem forçada).

Gostei bastante dos flashbacks que a autora inseriu na história, pois com eles podemos ver o que realmente aconteceu com o pai de Lucille, e qual foi o papel dela nisso. Apenas achei que, em certos pontos, o livro pareceu meio raso, mas isso deve ser porquê a história não foi bem o que eu esperava - não que isso seja algo ruim, só diferente. A capa, como eu já havia dito, ficou maravilhosa, mesmo que possua somente padrões de cores, e a diagramação muito bem-feita da Arqueiro torna a leitura de 200 páginas ainda mais rápida.

Achei esse marcador de estrelinha que veio com o livro a cara da Princesa Caroço, rs.