Oi Gente! Sei que não tenho postado muito ultimamente, mas é que além de estar fazendo mais cadeiras na faculdade esse semestre, também - momento novidade! - comecei a escrever um epílogo para Missão Calu, duas semanas atrás! Provavelmente a maioria de vocês já conhece o meu conto, e talvez alguns até façam parte dos que gostariam de uma continuação, então eu, finalmente, resolvi concretizá-la. A única questão é: será que será satisfatória? Hmm, ótima pergunta, porque eu realmente não sei o que está acontecendo com esse epílogo, mas, definitivamente, não é o esperado, rs.
De vez em quando gosto de ouvir música enquanto escrevo, mesmo que isso não se aplique para quando eu estou lendo, então, a ideia lógica que eu tive para esse post, era trazer outra Playlist Literária. Algo que não faço há um bom tempo, convenhamos.
Escolhi então o livro Cinderela Pop, porque, além de eu amar a capa dele, adorar a história, e ele ser de uma autora brasileira, tem muita música eletrônica envolvida, um dos meus estilos preferidos no momento. Só queria mesmo saber o que a DJ Cinderela acharia da minha playlist para ela.


Cintia é uma princesa dos dias atuais: antenada, com opiniões próprias, decidida e adora música! Essa princesa pop morava com os pais em um castelo enorme de onde via toda a cidade. Todas as noites ela olhava pela janela, de onde ficava admirando a vista e sonhando... com um príncipe que ainda não conhecia. Porém, um dia, o castelo de Cintia desmoronou e com ele tudo à sua volta. Desiludida, ela deixou de acreditar em romances e teve que reconstruir cada parte de sua vida, sem deixar o mínimo espaço para o amor. Ela só não contava com um detalhe... Havia mesmo um belo príncipe em sua história. E tudo o que ele mais queria era descongelar o coração da nossa gata (nada) borralheira!


Acho que essa foi uma das playlists mais animadas que já montei, e estou realmente contente com ela! Lembrando que, ainda escolhi as músicas para que os seus títulos/letras ficassem de acordo com a história, na medida do possível. Agora, só espero que ela faça vocês dançarem, haha.



Título Original: Tell me Three Things

Autor(a): Julie Buxbaum

Editora: Arqueiro

Número de Páginas: 288

Ano: 2016

Desde a morte de sua mãe, 2 anos atrás, a vida não tem sido muito fácil para Jessie Holmes. Tanto ela quanto o pai precisam encontrar um jeito de lidar com a perda, e parece que continuar com algo semelhante a uma rotina, se focando, respectivamente, na escola e no trabalho, é a melhor opção. O pai de Jessie é farmacêutico e por vezes precisa viajar devido ao seu emprego, deixando a garota sozinha em casa. Isso não é um problema, já que ela é responsável e, devido ao que passou, também precisou se tornar um pouco mais independente.

O que realmente incomoda Jessie, é o fato de que, voltando de uma de suas viagens de trabalho, o pai dela tem um anel no dedo. De casamento. Ela não consegue acreditar que o pai faria uma coisa dessas sem contar para a sua única filha, ainda mais devido as circunstâncias, mas a realidade do ato logo a atinge. E em cheio. Jessie se vê obrigada a se mudar de Chicago para a Califórnia, deixando a sua casa, a escola e a melhor amiga, Scarlett, tudo o que sempre conheceu, para trás. E a menina nem ao menos faz ideia de quem é a sua nova madrasta.

Porém, logo fica claro que dinheiro é o que não falta para a nova esposa de seu pai, que mora em uma casa grande e sofisticada, em um bairro requintado de LA. Ela também tem um filho, Theo, o agora meio-irmão de Jessie, que mal a conhece mas já a odeia, pois acredita que o pai da garota esteja apenas atrás do capital da sua mãe. Nem ela sabe muito bem o que pensar, apesar de ter certeza que o pai nunca faria algo do gênero. A verdade é que Jessie se sente mais sozinha do que nunca, em uma cidade e casa estranhas, num quarto de hóspedes que deveria chamar de seu.

As coisas não ficam muito melhores quando Rachel, sua madrasta, decide que seria bom se ela entrasse para a mesma escola particular de Theo, o colégio Wood Valley, e faz questão de pagar a mensalidade. Além de, no primeiro dia de aula, Jessie errar a turma e ser ignorada por quase todos os alunos, ela percebe que as pessoas de lá são esnobes e arrogantes. Em resumo, a vida dela está uma droga. Entretanto, justo quando tudo parecia perdido, ela recebe um email. De Alguém Ninguém. Jessie não faz a mínima ideia de quem essa pessoa seja, mas parece que AN conhece ela, e, o melhor, está disposto a ajudá-la a se adaptar na nova escola.

Para começar a falar desse livro, primeiro eu preciso falar sobre a Jessie. Uma das personagens mais legais que eu já tive o prazer de conhecer, quer dizer, ler sobre (mas, afinal, é a mesma coisa, não é?!). Para começar, ela tem o sobrenome mais incrível de todos os tempos, Holmes, mas não para por aí. Apesar de tudo pelo que passou - a morte da mãe, a mudança de cidade, ir para uma casa e um colégio onde as pessoas não são exatamente amigáveis - Jessie não é uma garota ingrata, que odeia tudo e todos. Parece que ela decide não se deixar abater, e tenta continuar com a sua vida da melhor forma possível.

Mas, o que achei interessante mesmo na obra foram os outros personagens, e a vida que a Julie Buxbaum dá para cada um eles. Sejam os amigos, colegas, pai, madrasta ou meio-irmão da Jessie, vemos que todos tem uma história, mesmo que ela não seja muito desenvolvida ao longo da trama ou se constitua apenas de pequenos detalhes. Conseguimos enxergar que eles também sentem, ficam alegres, tristes ou com medo, se apaixonam, que são pessoas e que possuem sentimentos. Eles não são apenas "manequins".

O único motivo pelo qual eu dei 4,5 estrelas para Três Coisas Sobre Você, é porque a sinopse dá a entender que a história é um pouco mais misteriosa, promete te deixar em dúvida, e, sinceramente, eu não vi mistério nenhum (leia-se: quem seria AN?), haha. Fora isso, temos um romance ótimo, fofo, muito verdadeiro, e que, definitivamente, merece ser lido. Claro, como todos os YA's o livro tem o seu quê de "mas isso aí é bom demais para ser verdade", porém nada fora do comum. 

A arte de capa está linda, foi um contraste incrível com a da edição estrangeira - que é minimalista, mas muito bonita também - e não há o que reclamar da tradução/revisão. A história é tão envolvente que a leitura se torna extremamente rápida, dinâmica. Definitivamente, não é uma daquelas obras que você fica cuidando quantas páginas faltam para ela acabar a cada capítulo. 3 palavras e 1 conselho: leia esse livro.

Tudo começou com um convite da minha amiga, domingo à noite. Renata, quer ir no cinema comigo, assistir à Como eu era Antes de Você? Amo a minha amiga e também amo ir ao cinema, então a resposta era óbvia; sim. O único problema: eu ainda não havia lido o livro. "Em que mundo você vive, que ainda não leu o best seller da Jojo Moyes?" vocês podem pensar. Ótima pergunta, quando eu descobrir a resposta, aviso. Mas é verdade, até então eu ainda não tinha me interessado em ler a obra.
Porém, eu já tinha aceitado o convite, e minha amiga falou casualmente que tinha lido o livro em 3 dias, e que tinha certeza que eu conseguiria ler em um. Resultado: passei a tarde de segunda-feira e a manhã de terça lendo Como eu era Antes de Você. E terminei. Depois fui ao cinema. E chorei tudo o que eu não tinha chorado durante a leitura.

Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Sua vidinha ainda inclui o trabalho como garçonete num café de sua pequena cidade - um emprego que não paga muito, mas ajuda com as despesas - e o namoro com Patrick, um triatleta que não parece muito interessado nela. Não que ela se importe.
Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor tem 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de ter sido atropelado por uma moto, o antes ativo e esportivo Will agora desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Sua vida parece sem sentido e dolorosa demais para ser levada adiante. Obstinado, ele planeja com cuidado uma forma de acabar com esse sofrimento. Só não esperava que Lou aparecesse e se empenhasse tanto para convencê-lo do contrário.
Uma comovente história sobre amor e família, Como eu era antes de você mostra, acima de tudo, a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado.

E o vencedor da vez é...

Dessa vez, o livro leva a melhor, pois foi bem mais pertinente e expressivo do que o filme, que, mesmo que possa ter emocionado bem mais, foca no romance. Sei que, mesmo a autora tem explicações para o porquê de algumas cenas terem sido deixadas de fora, mas, só lembrando gente, essa é a minha opinião. E vocês? Provavelmente já devem ter lido Como eu era Antes de Você, mas assistiram à adaptação? O que acharam? Não esqueçam de me contar, nos comentários!