Título Original: The Martian

Autor: Andy Weir

Editora: Arqueiro

Número de Páginas: 366

Ano: 2014

A Ares 3 é, como o próprio nome já diz, a terceira missão a levar pessoas para Marte. O grupo de seis pessoas liderado pela comandante Lewis é a tripulação da nave Hermes, todos astronautas treinados incansável e intensamente pela NASA. Eles passaram por diversos testes, ainda na Terra, e receberam treinamento para as mais diversas situações que pudessem ocorrer, fosse algum problema com as naves, os trajes espaciais ou os veículos exploradores. O principal objetivo desse time é coletar amostras de rocha marciana.

Até o 5º Sol, que é como são chamados os dias em Marte, tudo vai bem. Os astronautas fazem suas AEV's, as atividades extraveiculares - ou seja, quando eles deixam o Hab, uma espécie de tenda altamente tecnológica projetada pela NASA, que fica no solo, para caminharem livremente pela superfície do planeta - em seus trajes espacias, normalmente, coletando pedras e outros itens que julguem ser importantes para análise posterior.

Porém, no 6º dia, uma tempestade pega a tripulação de surpresa. Os astronautas precisam então deixar o Hab, onde estavam até agora, e entrar no VAM, que é uma espécie de veículo de conexão entre Marte e Hermes, a nave deles, que está flutuando, no espaço, para que possam deixar o planeta vermelho em segurança. Nesse espaço de tempo, a caminhada entre o Hab, o abrigo deles no solo, e o VAM, é que Mark Watney, o engenheiro botânico da equipe, é atingido por uma antena, que fura o seu traje espacial. Ele desmaia, devido à repentina perda de pressão, e o vento o joga para longe.

A comandante Lewis procura por Mark, mas é uma questão de segundos até que o VAM precise deixar Marte. Como o traje do botânico não demonstrava mais sinais vitais para os outros astronautas, Lewis corre para o veículo espacial, e todos são obrigados a aceitar o que as circunstâncias lhes fazem acreditar. O amigo deles morreu, durante a tempestade. Contudo, o que parecia impossível acontece: Mark acorda, vivo e sem maiores consequências, em Marte. Salvo por uma ironia do destino, ele agora precisa descobrir como irá sobreviver em um planeta estéril e gelado, até conseguir estabelecer contato com a Terra e pedir por socorro.


Vocês já imaginaram o que é precisar viver em um planeta no qual só podem sair de casa, se estiverem vestindo um traje apropriado? Onde não existe o básico para a sobrevivência: ar, água e comida? No qual o clima é tão hostil que o solo  é estéril? Penso que é justo começar dizendo que, se com Pi eu aprendi um pouco sobre como ser um bom náufrago, com Mark eu teria a chance de não morrer - tão rapidamente - em Marte.

Perdido em Marte é um livro bastante técnico. A maioria das páginas traz alguma informação sobre física, química ou botânica, isso quando o autor não fala em astronomia e engenharia ou outros assuntos específicos. Por causa disso, achei o começo do livro meio lento, mas não é difícil se acostumar com os principais termos que ele traz, os regulares, e os outros não são de grande importância - para nós, já que Mark dependia de cada grama de conhecimento que tinha.

Creio que é devido a essa tecnicidade do livro que eu, de certa forma, o comparei a um romance do Dan Brown, só que, ao invés de ele ter um lado histórico ou filosófico, Perdido em Marte trata das ciências exatas. Para ser mais exata, de basicamente todas elas. Mas, mesmo trazendo reações químicas e matemática aplicada (não-explícita, rs), a obra também é literatura, ela conta uma história como qualquer outra.

O melhor exemplo disso, provavelmente, é o próprio Mark. Ele é um personagem muito alto-astral, engraçado e, porque não, carismático. Isso sem falar em como ele é inteligente! Olha, não é para qualquer um sobreviver em Marte, isso eu posso afirmar. Um dos pensamentos que não saia da minha cabeça durante a leitura era "nossa, imagina só, uma pessoa, totalmente sozinha em Marte, sem ninguém para ajudá-la". Sabe aquelas cenas em um filme, onde alguém está prestes a cair de algum lugar alto, mas vem outra pessoa e impede a queda? Essa é a sensação que temos durante o livro, só que essa "outra pessoa" nunca chega.

Um fato interessante sobre a obra é que, se eu não me engano, todas as naves têm nomes de deuses gregos, como a Hermes, Íris e a própria missão, Ares. Além disso, Mark está em um planeta que tem 2 satélites naturais, chamados de Fobos e Deimos, ou medo e pavor, o que é bem sugestivo por si só, haha.  A única outra coisa que eu não gostei muito no livro, além de algumas partes técnicas, foi essa capa do filme, mas, é claro que a Arqueiro também tem uma outra capa, maravilhosa, a que está nas informações sobre Perdido em Marte.


8 Comentários

  1. Hey!

    Eu tava muito louca pra ler esse livro, mas meio que "esfriei", nem sei por que. Tenho que ler um livro que se passe fora da Terra, mas tô querendo começar a ler Star Wars... Enfim, adorei a resenha, e ainda quero assistir o filme desse livro!

    Beijos,

    http://tordodemorango.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Midi!
      Ah, eu te entendo, isso acontece bastante comigo :/ Também queria ler Star Wars, mas, assim como, você, meio que esfriei, rs.
      Que bom que gostou! Ah, o filme com certeza está na minha lista também! Beijos.

      Excluir
  2. Oi Re!!
    Sua resenha ficou ótima e fiquei curiosa para saber o que acontece com Mark no final do livro, mas ele não desperta muito meu interesse. Definitivamente, não sou de exatas e acho que ficaria entediada em grande parte da leitura.
    Parabéns pela resenha e leitura, amiga!!
    Beijossss,

    versosenotas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bá!
      Aw, que é isso amiga, obrigada! Pois é, haha, esse livro tem váááários plot twists. Isso até que é provável, mas eu gostei de ter superado essa parte matemática, porque a história é bem legal. Obrigada flor ^-^
      Beijão!

      Excluir
  3. Renata minha princesa amei saber suas impressões sobre esse livro, na realidade foi a primeira que li desse livro. Assim como a Bárbara falou também não é o estilo de leitura que me atrai, nem o filme tive interesse em ver justamente por causa dessa solidão e dificuldade que é a vida desse personagem. Mas de uma forma geral para quem gosta dos assuntos abordados deve ser bem interessante essa viagem a Marte. Beijos amiga.

    P.s. Como vão os estudos!!???

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amada!
      Ai que bom que você gostou então, fico muito feliz!
      Olha, a vida do Mark é realmente difícil, mas ele leva tudo tão bem que é simplesmente incrível. Com certeza, é super interessante!
      Justamente por causa deles, os estudos, é que não estou postando mais tanto no blog, haha, mas vai tudo muito bem, obrigada!
      Beijão!

      Excluir
  4. Wooow! Que livro! Adorei sua resenha, e fiquei com muita vontade de ler! Ficou bem explicadinho e já deu pra sentir um pouco o gosto dessa aventura... estou curiosa! Ia assistir o filme, mas acho que vou esperar um pouquinho até poder ler o livro rsrs

    Um beijo!

    Débora
    http://amorlivronico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aw, Dé, que demais! Obrigada, que bom que gostou da resenha ^-^
      Haha, recomendo isso mesmo, leia o livro primeiro! Mas não deixe de assistir o filme também, depois. Estou doida para ver como ficou a adaptação.
      Beijos.

      Excluir

Comentem, vou adorar saber o que acham do post e do blog! Sugestões são sempre bem-vindas, assim como você c: