Hey, pessoal! Não sei se vocês sabem, mas sábado, 18 de junho, era o meu aniversário! Não consegui fazer um post avisando ou algo do tipo, pois fiz uma pequena comemoração no dia, domingo acabei saindo e, como já havia falado anteriormente, essa é a temida semana de provas - que está indo bem até agora, rs. 
Mas, nunca é tarde demais, então, hoje, resolvi trazer um post para relembrar um pouco minha "festinha (de 18 anos!)", que é livros com aniversários. Claro que, vez ou outra, em algumas obras um personagem fica mais velho, mas nem sempre fazem da data, da comemoração o tema principal da história, e é isso o que eu resolvi trazer para vocês.



Faça seu Pedido - Mandy Hubbard


Kayla McHenry está tendo o pior aniversário de dezesseis anos da história! E não é só porque ela é diferente. Fica difícil se divertir quando você está apaixonada pelo namorado da sua melhor amiga. Na hora de assoprar as velinhas, Kayla faz um pedido: “Eu desejo que todos os meus desejos de aniversário se tornem realidade. Porque eles nunca se realizaram”.
Na manhã seguinte, ela acorda e vê um Meu Querido Pônei cor-de-rosa pastando em seu jardim. No dia seguinte, depara-se com um carregamento de chicletes de bolinha para um ano inteiro. E, então, um cara meio plastificado chamado Ken aparece e começa a segui-la por toda a cidade, a bordo de um conversível!
A cada dia, um novo desejo se torna realidade. Mas… isso PRECISA PARAR. Porque, quando fez quinze anos, Kayla desejou ganhar um beijo de Ben Mackenzie… E Ben, agora, é nada menos que o namorado de sua melhor amiga!

Todo mundo fala que esse livro é muito fofo, e, gente, eu não duvido. Se for mesmo parecido com 16 Desejos - um filme muito bonitinho, da Disney, protagonizado pela Debbie Ryan - será uma graça, e muito divertido.


Sweet Sixteen Princess - Meg Cabot


Dezesseis é o número mágico.
Mia nunca tem sorte com festas, por isso mesmo que no seu décimo sexto aniversário, ela não quer uma festa de aniversário. Como sempre, Grandmére tem outras ideias, e acha que um reality show é perfeito para celebrar o aniversário da princesa. Todo o esquema cheira a Lily, que tem um programa de TV local. Será que Mia vai conseguir parar o plano de Grandmére? Será que seus amigos vão perdoá-la por parar esse plano que envole jatinhos particulares genovevos que deixariam Paris Hilton verde de inveja? Porquê Mia não consegue ter o que ela realmente quer: uma noite sozinha com Michael?
Com um pouquinho de sorte, esse doce aniversário de dezesseis anos só poderia levar a princesa a realizar o seu desejo: um aniversário romântico.

Essa obra está mais para um conto do que um livro, o chamado volume 7.5 da série O Diário da Princesa, que narra a história do aniversário de 16 anos da Mia. Infelizmente, ele não foi traduzido, mas quem quiser pode baixá-lo ou lê-lo aqui. Acredito que valha a pena para os fãs da série, mesmo que a diferença de idiomas possa vir a atrapalhar um pouco.

Meus 15 Anos - Luiza Trigo


Uma festa de cinema! Este era o sonho de Bia, prestes a se tornar realidade em Meus 15 anos. Ela só não esperava que sua grande noite daria um filme – com direito a drama, romance, comédia e ação de tirar o fôlego. Bia é a protagonista do segundo romance da escritora carioca Luiza Trigo, que vem conquistando seu espaço entre o público adolescente e pré-adolescente desde sua estreia com Carnaval. Da entrega dos convites ao surpreendente desfecho, a autora conta uma história movida a sonhos, paixões, ciúmes, alegrias, decepções e, principalmente, amadurecimento, amizade e amor.


O Aniversário - Alex de França Aleluia


15 ANOS
O que você faria se soubesse o que irá acontecer na festa de seu aniversário?
Talita é uma menina que está prestes a completar seus 15 anos e está louca por uma grande festa, mas na noite de seu aniversário, seu pai foi assassinado. Porém, nota que tudo não passou de um grande sonho e ao acordar, identifica que este terrível pesadelo está se tornando realidade. E tudo começa a acontecer novamente, com mudanças de algumas situações e ela vai fazer de tudo para anular sua festa para que nada aconteça com o seu pai.
E VOCÊ ESTÁ CONVIDADO PARA ESTA FESTA!

Esse livro é da editora nacional Modo, e acho que ele tem uma proposta realmente diferente, apesar de a sinopse, talvez, não ser muito convidativa. A capa também é bem colorida, e acho que podemos esperar uma história, além de misteriosa, realmente interessante.

Sabem que, só quando eu estava pesquisando é que percebi que ninguém havia falado sobre esse tema ainda - apenas alguns sites americanos tinham dicas de livros para crianças, sobre essa data comemorativa (oi?). Por isso, vou pedir a ajuda de vocês: alguém conhece outros livros com o tema "aniversário"? Ou, senão, já leram algum desses que eu citei? Realmente esperava ter achado mais livros na nossa língua com essa característica, porém a maioria deles é estrangeiro mesmo.
Espero voltar logo! Beijos.

Olá leitores! Sei que tenho estado meio ausente do blog nesses últimos dias, mas isso é porque já estamos chegando ao fim do semestre (!) na faculdade, e a próxima semana é a de provas. Entretanto, sempre estou compartilhando uma coisinha ou outra nas redes sociais do blog, seja no Facebook, Twitter ou Instagram, a minha preferida - para seguir, é só clicar no nome da respectiva rede social.

Mas, enfim, junto com o fim de semestre também vêm as férias de inverno, e eu prometo um mês de julho bastante agitado aqui no L&C! Entretanto, uma blogueira não sobrevive só de postar sobre livros, ela também precisa lê-los, e esse é justamente o objetivo da postagem de hoje: uma wishlist das obras literárias que eu gostaria de ler nas férias!


Escolhi principalmente livros de mistério e young adult, acho que ficou a cara das férias de inverno. Mal posso esperar para ter esse tempinho livre e continuar as séries que eu já gostava, como The 100, com De Volta, que eu irei resenhar quando ler, ou até mesmo começar novas, como no caso de Inigualável.
Juro que as editoras escutam as minhas preces... ou algo assim, hahaha. Mais 2 livros que eu gostaria que fossem traduzidos - olha a coincidência! - realmente ganharam a sua versão nacional: DUFF e Dorothy tem que Morrer. Me lembrem de não parar de fazer postagens desse tipo, rs, quem sabe eu não tenha sorte para algo, afinal?!




Título Original: The Martian

Autor: Andy Weir

Editora: Arqueiro

Número de Páginas: 366

Ano: 2014

A Ares 3 é, como o próprio nome já diz, a terceira missão a levar pessoas para Marte. O grupo de seis pessoas liderado pela comandante Lewis é a tripulação da nave Hermes, todos astronautas treinados incansável e intensamente pela NASA. Eles passaram por diversos testes, ainda na Terra, e receberam treinamento para as mais diversas situações que pudessem ocorrer, fosse algum problema com as naves, os trajes espaciais ou os veículos exploradores. O principal objetivo desse time é coletar amostras de rocha marciana.

Até o 5º Sol, que é como são chamados os dias em Marte, tudo vai bem. Os astronautas fazem suas AEV's, as atividades extraveiculares - ou seja, quando eles deixam o Hab, uma espécie de tenda altamente tecnológica projetada pela NASA, que fica no solo, para caminharem livremente pela superfície do planeta - em seus trajes espacias, normalmente, coletando pedras e outros itens que julguem ser importantes para análise posterior.

Porém, no 6º dia, uma tempestade pega a tripulação de surpresa. Os astronautas precisam então deixar o Hab, onde estavam até agora, e entrar no VAM, que é uma espécie de veículo de conexão entre Marte e Hermes, a nave deles, que está flutuando, no espaço, para que possam deixar o planeta vermelho em segurança. Nesse espaço de tempo, a caminhada entre o Hab, o abrigo deles no solo, e o VAM, é que Mark Watney, o engenheiro botânico da equipe, é atingido por uma antena, que fura o seu traje espacial. Ele desmaia, devido à repentina perda de pressão, e o vento o joga para longe.

A comandante Lewis procura por Mark, mas é uma questão de segundos até que o VAM precise deixar Marte. Como o traje do botânico não demonstrava mais sinais vitais para os outros astronautas, Lewis corre para o veículo espacial, e todos são obrigados a aceitar o que as circunstâncias lhes fazem acreditar. O amigo deles morreu, durante a tempestade. Contudo, o que parecia impossível acontece: Mark acorda, vivo e sem maiores consequências, em Marte. Salvo por uma ironia do destino, ele agora precisa descobrir como irá sobreviver em um planeta estéril e gelado, até conseguir estabelecer contato com a Terra e pedir por socorro.


Vocês já imaginaram o que é precisar viver em um planeta no qual só podem sair de casa, se estiverem vestindo um traje apropriado? Onde não existe o básico para a sobrevivência: ar, água e comida? No qual o clima é tão hostil que o solo  é estéril? Penso que é justo começar dizendo que, se com Pi eu aprendi um pouco sobre como ser um bom náufrago, com Mark eu teria a chance de não morrer - tão rapidamente - em Marte.

Perdido em Marte é um livro bastante técnico. A maioria das páginas traz alguma informação sobre física, química ou botânica, isso quando o autor não fala em astronomia e engenharia ou outros assuntos específicos. Por causa disso, achei o começo do livro meio lento, mas não é difícil se acostumar com os principais termos que ele traz, os regulares, e os outros não são de grande importância - para nós, já que Mark dependia de cada grama de conhecimento que tinha.

Creio que é devido a essa tecnicidade do livro que eu, de certa forma, o comparei a um romance do Dan Brown, só que, ao invés de ele ter um lado histórico ou filosófico, Perdido em Marte trata das ciências exatas. Para ser mais exata, de basicamente todas elas. Mas, mesmo trazendo reações químicas e matemática aplicada (não-explícita, rs), a obra também é literatura, ela conta uma história como qualquer outra.

O melhor exemplo disso, provavelmente, é o próprio Mark. Ele é um personagem muito alto-astral, engraçado e, porque não, carismático. Isso sem falar em como ele é inteligente! Olha, não é para qualquer um sobreviver em Marte, isso eu posso afirmar. Um dos pensamentos que não saia da minha cabeça durante a leitura era "nossa, imagina só, uma pessoa, totalmente sozinha em Marte, sem ninguém para ajudá-la". Sabe aquelas cenas em um filme, onde alguém está prestes a cair de algum lugar alto, mas vem outra pessoa e impede a queda? Essa é a sensação que temos durante o livro, só que essa "outra pessoa" nunca chega.

Um fato interessante sobre a obra é que, se eu não me engano, todas as naves têm nomes de deuses gregos, como a Hermes, Íris e a própria missão, Ares. Além disso, Mark está em um planeta que tem 2 satélites naturais, chamados de Fobos e Deimos, ou medo e pavor, o que é bem sugestivo por si só, haha.  A única outra coisa que eu não gostei muito no livro, além de algumas partes técnicas, foi essa capa do filme, mas, é claro que a Arqueiro também tem uma outra capa, maravilhosa, a que está nas informações sobre Perdido em Marte.