Título Original: Heir of Sevenwaters

Série: Coleção Sevenwaters (Livro 4)

Autor(a): Juliet Marillier

Editora: Butterfly

Número de Páginas: 496

Ano: 2015



A rotina em Sevenwaters está mais movimentada do que nunca. A esposa de lorde Sean, Aisling, está gravida, o que deixa todos na família muito contentes, mas também preocupados, já que ela não é mais tão jovem, algo que pode acarretar tanto em problemas para ela quanto para o bebê que está por vir. Além disso, Johnny deve chegar com alguns de seus homens e Deirdre, uma das filhas do casal, irá se casar muito em breve. Se não fosse por sua irmã gêmea, Clodagh, que coordena todas as atividades do lugar, os afazeres dos criados, cuida dos irmãos e das comemorações que acontecem ali, todos estariam em um estado de agitação ainda maior.

O casamento de Deirdre, além de apenas uma aliança, também se realizará por amor. Ela se casará com Illan, que é chefe do clã do sul dos Uí Neill, matrimônio esse que ajudará a promover a paz com a tribo do norte, e até mesmo com Sevenwaters. Ela pede ajuda para Clodagh, comunicando-se mentalmente, pois está nervosa com o grande dia, porém sua irmã estava na floresta, orando, principalmente pela gestação de sua mãe e a união que virá. Mas, antes que consiga sair do bosque e ajudar Deirdre a arrumar o cabelo, Clodagh vê uma sombra estranha por entre as árvores. A forma é muito parecida com a de uma pessoa, porém a garota tem certeza de que não é alguém conhecido, e, tomada pelo medo, sai correndo.

De tão atordoada que está, Clodagh mal repara quando dá de cara com dois homens, quase no fim da trilha. Como ainda está assustada, grita, pensando que um deles poderia ser o seu perseguidor, mas logo ambos esclarecem que são soldados de Johnny, o filho de Bran e Liadan, guerreiros de elite, que recebem treinamento na afastada ilha de Inis Eala. Seus nomes são Aidan e Cathal, e eles estão lá acompanhando seu comandante, que faz visitas periódicas a Sevenwaters, já que herdará essas terras quando Sean, que não tem filhos homens, morrer. Porém, enquanto o primeiro é gentil com Clodagh, o outro é bastante rude, e fala verdades que não precisariam ser ditas em voz alta.

Após o encontro inesperado, ela volta para casa levemente irritada e ajuda Deirdre a trançar seu cabelo, porém sua irmã lhe pede que, uma vez que estiver casada, não se comuniquem mais mentalmente, pois seria um pouco inapropriado para uma mulher casada. Isso deixa Clodagh triste, uma vez que as duas sempre compartilharam tudo, mas entende e acata o pedido. Agora, sem a sua melhor amiga e confidente, ela se vê entre organizar e delegar as tarefas de casa, receber flertes de Aidan e avisos, conselhos, de Cathal, tanto relacionados ao amigo dele quanto a questões políticas. Entretanto, de tão atarefada que está, acaba não prestando muita atenção a nenhum dos dois homens.

Assim, o tempo vai passando, e lady Aisling entra em trabalho de parto. Sua outra filha, Muirrin, que é curandeira, veio ajudar, entretanto ela também sabe que as condições para o parto não são as melhores possíveis. Porém, após uma noite insone para todos na casa, o bebê nasce, e tanto ele quanto a mãe passam bem. Todos ficam aliviados e muito contentes, mas ao mesmo tempo surpresos, já que o recém-nascido é um garoto e portanto deveria ser o primeiro na linha de sucessão ao invés de Johnny, porém ninguém se preocupa com isso no momento. O real problema é quando, poucos dias depois de seu nascimento, quando Clodagh se descuida por um momento, a criança é raptada.



















Sabe aquela felicidade quando você descobre que uma editora vai lançar a continuação da série que você adora? Eu tive a chance de experimentar isso, e é tudo de bom. Eu sabia que a Butterfly tinha lançado Sevenwaters como uma trilogia, e também que a coleção tinha mais livros (tanto que agora não se chama mais trilogia, e sim Coleção Sevenwaters, rs), mas não estava esperando que eles lançassem o próximo volume. Para mim, foi realmente uma surpresa, já que eu só descobri quando recebi um email perguntando se eu estava interessada em resenhá-lo. Agora me diz: que tipo de pergunta é essa? Óbvio que o solicitei.

Demorei mais do que gostaria para lê-lo, mas gente, que aventura incrível. O cenário agora não é Sevenwaters, a Bretanha, ou Kerry, e sim o Outro Mundo. A morada dos Antigos, dos Seres da Floresta e de outras criaturas sobrenaturais, que sempre estiveram presentes na série, mas em segundo plano. Tudo bem que eles mais atrapalham do que ajudam, principalmente nesse livro, mas talvez por isso mesmo é que seja tão legal. Não me levem a mal, eu amo Sevenwaters, mas é ótimo sair do lugar-comum às vezes.

Assim como das outras vezes, alguns personagens dos livros anteriores continuam aparecendo, o que eu adoro, pois não precisamos nos despedir deles tão cedo, mas sempre são os novos que tem vez. E por falar neles, bem, primeiro: lindos, todos eles, por dentro e por fora, assim como os antigos. Mas meu preferido foi, meio que obviamente, o Cathal. Desde que o conheci ele me lembrou outro personagem muito querido: o Jace, de Os Instrumentos Mortais. O jeito dele foi suficiente para eu automaticamente imaginá-lo como o Jamie Campbell.

Uma das coisas que ainda me incomoda um pouco sobre a escrita da Juliet, é que alguns eventos acontecem muito rápido. Estamos lendo o livro, curtindo a história e BAM alguém morre, por exemplo. Contudo, após isso, a história continua normalmente, não tem muito daquele sentimento de perder alguém. O que eu estou falando é que, as vezes, ela não é descritiva o suficiente, mas isso em relação aos sentimentos dos personagens.

Herdeiro de Sevenwaters, tem menos páginas do que seus predecessores, mas possui um extra que nenhum deles tinha: uma árvore genealógica e uma lista de personagens. Não que fizesse tanta falta, mas é sempre bom ter alguns bônus novos sobre a série. A edição da Butterfly está mais linda do que nunca, a revisão e a diagramação, então, impecáveis. Essa é provavelmente a última ou penúltima resenha de 2015, além de uma das minhas séries favoritas da vida toda. Um conselho para 2016: leiam.



4 Comentários

  1. Hey!
    Toda resenha que você faz eu digo que quero muito ler essa série de livro, porém nunca o faço, não é mesmo? Hahahaha! Eu adorei a resenha mais uma vez, e fiquei mais do que curiosa para saber sobre esse universo fantástico.

    Beijos!

    http://tordodemorango.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Haha, nossa Midi, nem esquenta, eu sei como é. Vivo tão ávida procurando por livros para ler que acabo esquecendo de lê-los. Que bom flor, fico feliz que tenha gostado :D
      Beijo!

      Excluir
  2. Renata simplesmente amei acompanhar sua opinião sobre essa coleção e fiquei curiosa mas ainda não sei quando terei a oportunidade de ler, tenho tantos na frente. Enfim fico feliz que o livro tenha te agradado e que a mudança de cenário tenha contribuído para esse envolvimento. Também adoro quando personagens dos livros anteriores voltam e podemos matar a saudade.
    Beijinhos e ótimo fim de ano querida!!!

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que bom Aline! Sério, fico muito feliz que tenha gostado c:
      Haha, tudo bem, sei bem como é.
      Nossa, Sevenwaters é um prato cheio para quem gosta de personagens que voltam! Beijos, muito obrigada e igualmente!

      Excluir

Comentem, vou adorar saber o que acham do post e do blog! Sugestões são sempre bem-vindas, assim como você c: