Todos aqui sabem os dilemas de um leitor. Qual livro ler primeiro? Comprar na livraria ou esperar por promoções na internet? Ler um livro rápido, para poder começar outro mais interessante logo. Em meio a tantas opções é quase impensável querer reler um livro, certo? Errado. Sempre damos um jeito.
Embora eu seja mais a favor dos "já li, porque perder tempo relendo se conheço a história", tem livros os quais eu não me lembro do enredo efetivamente. Sim, eu sou o tipo de pessoa que consegue esquecer de alguns pontos importantes na trama, então imagine só como sou com detalhes. Por isso, fiz a lista abaixo.





Não são muitos exemplares, mas em meio a tantos lançamentos demais, livros esquecidos na estante e leituras obrigatórias, é difícil conciliá-los. Tem algo que vocês precisam ou gostariam de reler? Fui obrigada a ler novamente Clara dos Anjos, e não foi a melhor das experiências.

Oi leitores! Hoje posso dizer que as frases serão "especiais" de novo, pois assim como fiz com Pó de Lua, fotografei algumas quotes lindas de 365 Dias Extraordinários, ou o livro de preceitos do Sr. Browne, para os já íntimos de Extraordinário! Elas são incríveis como o próprio August.




Acho que esse livro complementar é um dos mais fofos de todos, lembrando que ele também tem uma capa dura muito bonitinha. Se vocês gostarem da postagem e eu tiver a chance, farei a parte 2 desse post, mostrando então os preceitos que eu mais gostei do segundo semestre, pois aí tem apenas dos primeiros 6 meses do ano. 
Aproveitem que hoje estou falando sobre citações e não se esqueçam também, de uma das frases mais lindas e inspiradoras de Extraordinário: "Todo mundo deveria ser aplaudido de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo."



Título Original: The 5th Wave


Série: A 5ª Onda (Livro 1)


Autor(a): Rick Yancey


Editora: Fundamento


Número de Páginas: 368


Ano: 2013





Todo o tipo de energia foi cortado. Tsunamis deixaram embaixo da água enormes extensões territoriais. Uma peste devastou a maior parte da população restante. Silenciadores foram enviados para matar o que restou dela. Extraterrestres invadiram a Terra há alguns meses e com essas grandes ondas, quase alcançaram seu objetivo: causar a aniquilação da raça humana. Porém se você pensa que os outros, como Cassie chama, são seres verdes, com antenas e vários olhos, está enganado. Eles são exatamente como nós.

Isso dificulta saber quem é realmente da sua espécie e as poucas pessoas que sobreviveram a todos esses ataques se refugiaram em acampamentos, onde devem ficar a salvo tanto dessa desconfiança, como da 5ª Onda, que ninguém ainda tem ideia da qual seja. Cassie, não de Cassandra mas de Cassiopeia, fugiu de um deles quando viu seu irmão ser levado juntamente com várias crianças para outro campo, determinada a encontrá-lo.


Um dia, enquanto caminha em direção ao seu destino, o Campo Abrigo, encontra 3 pessoas recém mortas na rua. E ela sabe o que isso significa. Há um silenciador por perto, um extraterrestre encarregado de matar humanos. Percebendo isso se prepara para sair dali, mas tão logo levanta é atingida por um tiro na perna. Cassie consegue se arrastar para baixo de um carro, um dos muitos que ficaram parados nas estradas devido a 1ª Onda


A garota escapa, entretanto, como havia começado a nevar e sua perna estava ferida, ela não poderia ir muito longe, então fica escondida no porta-malas de um carro, sabendo que precisa sair e continuar sua jornada para encontrar Sammy, seu irmão. Mesmo tudo conspirando contra sair de lá, Cassie deixa seu esconderijo e por isso é encontrada prestes a congelar até a morte por Evan, um garoto que estava procurando por caça. Ele a leva para sua fazenda e toma conta dela, porém Cassie aceita isso com um pé atrás. Seria Evan realmente humano? Pode Cassie confiar em alguém que talvez seja seu pior inimigo?


Enquanto isso, Ben Parish, ex-colega de Cassie, agora conhecido como Zumbi, é resgatado de um acampamento por soldados do Campo Abrigo e levado para lá. Tratam de sua doença para ele então poder ser treinado, ajudar no combate contra os extraterrestres e tentar antecipar qual será a 5ª Onda


Vocês acham que eu falo demais sobre distopias? Porque é basicamente tudo o que estou lendo no momento, fora as obras obrigatórias para a escola. Nunca tinha me dado conta realmente, mas eu adoro distopias e creio isso estar refletido aqui no blog, assim como no que é publicado hoje em dia.


Bom, eu acredito em vida inteligente fora da Terra pois, vejam bem, o universo conhecido até hoje tem uma extensão de mais ou menos 156 bilhões de anos luz, sendo que cada ano-luz equivale a 3,5 milhões de quilômetros. É algo quase inconcebível. Mas saindo da aula de física e voltando para a resenha, nunca imaginei esses extraterrestres atacando o nosso planeta. E lendo A 5ª Onda, tenho certeza de que não gostaria disso.


Quanto ao livro, apesar de trazer uma imagem negativa dos ET's, foi muito bem construído. Embora tenha partes narradas alternadamente, elas se completam de uma forma incrível. Você não se incomoda com qual personagem está narrando, desde que continue lendo para descobrir mais sobre eles próprios e o que vai acontecer em seguida.


Meu maior problema com A 5ª Onda, e creio ser o único motivo de eu não ter dado 5 estrelas, foi Cassie, a personagem principal. Ela tem sim seus bons momentos, mas na maior parte do tempo achei ela parada e sem sal. Mesmo quando está fazendo alguma coisa importante, consegue ser chatinha. Não desgostei dela, porém ela podia ser menos aérea.


Agora, esse é mais um livro onde os personagens secundários roubam a cena, os garotos principalmente são demais, cada um a seu modo. Primeiro você deseja tudo de bom para Bessie, sejam felizes e tchau para Evan Walker. Afinal, como podemos sabemos se ele é realmente confiável? Entretanto, com o desenrolar da história, mais precisamente nas últimas partes, tudo o que você quer é que Evan tome a Cassie em seus braços, lindos segundo a própria, e cavalguem felizes para a fazenda dele. 


Espero que o Rick não me faça a bobagem de criar um triângulo amoroso em O Mar Infinito, isso acabaria com toda a essência da história que claramente é Evassie. Agora vou o quanto antes terminar de ler Clara dos Anjos para enfim começar o segundo título dessa série, apesar de estar apreensiva com algumas coisas, devido ao final levemente alarmante de A 5ª Onda. Beijos e esperem pela resenha de O Mar Infinito!

Primeiramente, quero me desculpar com todos os blogueiros que me indicaram para tags, me perdoem todos vocês, eu não iria conseguir responder à todas, sem falar que não é legal responder só por responder, coisa que iria acabar acontecendo com algumas delas. Nada contra ninguém, viu, eu apenas não estava podendo fazer isso mesmo.
Agora, notícia rápida antes do post em si: finalmente o L&C tem uma conta no Twitter! Uma das minhas metas para o blog este ano, já está cumprida. Não esqueçam de seguir lá, no @livroschantilly.

                                   


Bom, vi a Emoji Book no Trampoline, ela foi adaptada de blogs gringos e consiste em relacionar um livro com emoticons variados. São apenas poucos tópicos, mas achei essa tag tão legal que dei uma incrementada, tornando-a um pouquinho mais abrangente. Por isso, os cinco primeiros itens são os originais e os outros foram criados por mim.


Como não tinha a maioria dos livros, acabei usando a versão de emergência, que consiste em uma imagem da capa dele, rs. Até que gostei do resultado, mas e vocês, o que acharam? Vou indicar o Resenhando a Arte para respondê-la, mas todo mundo aqui está igualmente convidado a fazer isso. 

Categorias:

A Mais Pura Verdade

Título Original: The Honest Truth

Autor(a): Dan Gemeinhart

Editora: Novo Conceito

Número de Páginas:

Ano: 2015






Mark é um garoto de 12 anos e já faz um bom tempo que ele descobriu ter uma doença grave. Um dia, ao invés de continuar vivendo sua vida do modo mais normal possível, ele decide partir em uma aventura para escalar o Monte Rainier, levando apenas poucos itens, como dinheiro, uma câmera, equipamento de alpinismo e o mais inusitado entre eles, seu cachorro, Beau.

Ele então, após tomar essa decisão, precisa enfrentar poucas e boas para chegar ao seu destino e durante a jornada acaba por conhecer pessoas das mais diferentes personalidades. Enquanto isso, em sua cidade natal, os pais de Mark e sua melhor amiga, Jessie, estão muito preocupados, principalmente devido a ele sair inesperadamente, com seu estado de saúde abalado.

(Um obrigado mais do que especial ao meu lindo bebê, por ajudar com a foto!)


Pelo que eu li, esse me parece ser um daqueles livros que te fazem pensar sobre a vida e a morte, o quanto as coisas são efêmeras e como devemos valorizar as pessoas à nossa volta. Claro, não necessariamente apenas gente, pois podemos sentir todo o amor de Mark para com seu cachorro, algo igualmente válido e que confere um sentimentalismo a mais para a história.

O livro é narrado alternadamente entre Mark e sua amiga Jessie, porém com esta última também conhecemos um pouco dos pais do garoto. Como são crianças que contam a história, podemos perceber o jeito simples, porém ao mesmo tempo verdadeiro, da maneira de elas verem as coisas. É uma história triste, um drama. O final, provavelmente, vai ser daqueles que nos fazem chorar e pensar "por que você fez isso?", a não ser que o Dan resolva ser bonzinho.

Toda a diagramação é muito bonita. Os capítulos são alternados de uma maneira diferente e no início de cada um dos narrados por Mark, podemos conferir quantos quilômetros faltam para ele chegar ao seu destino. Entretanto, não sei se eu gostaria que ele chegasse no topo da montanha, pois estou muito apreensiva quanto ao que irá acontecer. Essa é a mais pura verdade.

Parabéns, você *insira seu nome aqui*, que acabou de entrar no meu blog, é um bruxo. Ou não. Ops. Quantas pessoas já não sonharam em ouvir essas mesmas palavras? Ou ansiaram por receber uma coruja, em seu aniversário de 11 anos, com a tão sonhada carta de Hogwarts? Bem, agora você pode tê-la facilmente em sua casa. Só não prometo que ela venha junto com a coruja.



Pinte as folhas com a mistura de café e água, com cuidado para não exagerar na dose e deixá-las molengas. Se preferirem, creio que podem comprar papéis específicos, com um aspecto mais envelhecido, ou ao menos amarelado. 

Quando elas já estiverem secas, baixem o arquivo correspondente ao seu sexo e imprimam ele nessas folhas, juntamente com o bilhete para o Expresso de Hogwarts e o selo da escola. Entretanto, para esses dois últimos, podem usar papel de ofício normal, pois ambos serão recortados.

                 

Depois de escrever seu nome ou sobrenome no espaço pré definido da carta, dobre os papéis e guarde-os no envelope, juntamente com o bilhete recortado. Se preferirem, podem imprimir dois ingressos para então colar um atrás do outro, dando um aspecto mais bem acabado. O selo precisa apenas ser recortado e colado onde o envelope abre e fecha. Não esqueçam de abrir as imagens em nova guia, para ampliar seu tamanho.
Agora, o corpo da carta em si:


         

Imprimam e seu convite estará pronto! Faça uma boa viagem, caro leitor do L&C. Não deixem seus sapos de chocolate à solta e caso queiram tocam figurinhas de bruxos famosos, estarei no penúltimo vagão.

Categorias:

Já faz algum tempo que eu queria trazer essa coluna novamente aqui para o blog, mas não estava conseguindo pensar em uma maneira, até que me lembrei da Tag - Desafio das Capas, onde um dos itens pede a leitura da "Capa Mais Bonita da sua Estante". Bem entusiasmada, fui separar os exemplares mais lindinhos das minhas 4 prateleiras e meia, quanto notei que já tinha uma pilha de 12 livros. Se eu fosse fotografar cada um e incluir todos aqui, ficaria uma postagem enorme, por isso resolvi separá-la em duas partes.
Hoje, então, vou mostrar as capas mais bonitas dos livros já lidos por mim, que eu gostei e também aqueles os quais não gostei, deixando as obras não lidas para uma outra vez.


E como, infelizmente, um exterior bonito não significa necessariamente satisfação garantida com a história, aqui vão os livros que são demais por fora e nem tanto assim por dentro.



Não que eu tenha odiado qualquer um desses livros, eles apenas não me agradaram, poderiam ser melhores. A Fada e o Bruxo é confuso e a história não prende, empurrei ele com a barriga. Beijos Infernais até tem alguns contos bons, como o da Richelle Mead, mas alguns foram tão chatinhos que nem me lembro mais deles. E Deslembrança tem uma ideia muito legal, porém acho que a autora não soube trabalhar ela muito bem, além do romance ser meio sem sal.
Gostaram das minhas escolhas? Quais são as capas favoritas de vocês? Agora é só esperar pela segunda parte!



Título Original: The Darkest Minds


Série: The Darkest Minds (Livro 1)


Autor(a): Alexandra Bracken


Editora: ID


Número de Páginas: 576


Ano: 2013



Em um mundo onde as crianças morrem geralmente após os  10 anos, devido à uma doença até então desconhecida chamada NAIA (Neurogeneração Aguda Idiopática Adolescente), a maioria dos adultos começa a entrar em crise e entregar seus filhos para a polícia, que agora é a Força Especial Psi, os FEPs. Isso porque, todas as crianças que não sucumbiram ao vírus são muito inteligentes ou possuem superpoderes.

Quando no décimo aniversário de Ruby, seus pais chamam a polícia por medo do que ela pode ser capaz de fazer, a garota é levada a Thurmond, um de vários acampamentos, os quais o presidente dos EUA criou, onde procuram uma cura para as crianças. Porém, lá elas são obrigadas a trabalhar, sempre manter suas mentes ocupadas e estão terminantemente proibidas de usar suas habilidades especiais.


Chegando no local, a pequena Ruby percebe que as crianças são dividas por cores: os com menos aptidão tem um x pintado com azul ou verde e podem andar livremente, enquanto os que apresentam a cor amarela, laranja ou vermelha, possuem mais capacidade e portanto, graus de liberdade variados. Ela é levada para ser examinada quanto à doenças, assim como para o médico determinar qual será o grau de seus poderes. Entretanto, assim que ele a toca para fazer o teste, Ruby, até então sem saber como, apaga sua memória e diz para ele que é uma verde, sendo na verdade uma laranja.


É desse jeito que ela consegue se salvar de ser exterminada, até depois de seu aniversário de 16 anos. Nesse meio tempo, ela fez apenas uma amiga, Sam. Um dia, chega uma médica a Thurmond, Cate, a qual ajuda Ruby e outro garoto a escapar, isso por eles serem os mais poderosos daquele acampamento. A garota porém, não confia na doutora e foge dela, acabando por se esconder na van de Liam, Bolota e Zu. É assim que eles começam a busca pelo chamado Fugitivo, um garoto que acreditam ser o salvador das crianças que escaparam dos acampamentos. Porém essa viagem será cheia de perigos e acontecimentos inesperados.


Eu não queria demorar tanto para postar essa resenha aqui, mas tem uma justificativa. Tinha muito medo de não fazer jus ao livro. Porque quando eu digo que esse livro é ótimo, creio que não estou exagerando. Ele é muito bom mesmo, me cativou. A narrativa é bem parecida com a de A 5ª Onda, o qual pretendo resenhar aqui também e por coincidência, é outra distopia. 


Os personagens são incríveis, principalmente os secundários, pois a principal, é uma garota normal, exceto por seus poderes, claro. Isso até é bom porque assim podemos nos identificar com ela, porém não vemos nenhum estereótipo e então fica meio difícil defini-la. Ruby é Ruby. Mas é impossível não se apaixonar por Liam, Bolota e Zu, vai querer eles na sua turma de amigos em um piscar de olhos. Todos são queridos e muito humanos, cada um à sua maneira.


Algumas pessoas disseram que a Ruby teve um crescimento rápido, do início para o fim da história, mas eu discordo, ela apenas precisou lidar com muita coisa. A narrativa tem ação na medida certa e em momento algum se tornou cansativa, as mais de 550 páginas acabam rapidamente. Alexandra acabou por se tornar uma das minhas escritoras favoritas com essa série e fico contente em saber que ela é amiga da Sarah J. Mass, outra escritora que deve ser incrível.


O começo da história pode ser meio estranho para alguns, devido a existência de flashbacks, mas depois que pegarem o ritmo, entenderem um pouco mais da vida da personagem principal, a leitura flui como água. Irão querer descobrir o que ela fez, quem é o Fugitivo e depois como tudo termina. Então vão necessitar urgentemente da continuação, mas essa é a parte onde venho com uma notícia triste: ela não foi publicada aqui. Se a ID resolver lançar, vou correndo comprar, mas por enquanto eu pretendo achar os ebooks em inglês mesmo. Apesar disso, ainda recomendo que leiam e, espero, se apaixonem pelo livro, assim como eu.

Ultimamente não venho comprando livros, porque todas as minhas prateleiras estão basicamente cheias. Achei que me sentiria muito feliz com isso e de fato quando eu olho para elas me dá um orgulho... mas tem vezes em que penso quais outras coisas eu poderia ter feito com o dinheiro. Não me arrependo, porém eu também não precisava ter comprado tanta coisa, apenas pelo fato de alguns títulos estarem na promoção.
Mas enfim, quem vive de passado é museu, agora vou aproveitar a biblioteca da minha escola até dizer chega, porque além do mais, este é meu último ano lá. Qual é o motivo de você fazer essa wishlist então? Oras, eu falei que não ia comprar, o que não quer dizer que eu não possa simplesmente desejar. Fazer o que, não é? De vez em quando precisamos ir na livraria e apenas admirar os livros, sem gastar dinheiro.



A maioria deles são continuações de séries ou relacionados a séries, como A Herdeira, As Crônicas de Bane e Sirena. Provavelmente eu vou ter uma epilepsia, quando ver eles em algum lugar e não poder comprar. Por falar nisso, lembrei que A Herdeira já está em pré-venda, desde 27/02! Ainda não concebi direito a ideia de a America e o Maxon terem tido filhos. E de ter acabado Os Instrumentos Mortais ontem. Enfim, só tem um livro único aí, que é Quase uma Rockstar. Ele nunca tinha me interessado tanto, mas li a sinopse e aparentemente a história vai ser muito legal, divertida e com um bom romance.
Tomara que eles não demorem para aparecer nas bibliotecas, casas de amigos, amigos de amigos... até PDF serve. Leitor sempre dá um jeito.

Olá! Faz um bom tempo que eu não faço playlist, né? Ah gente, sabe, parece que alguns livros simplesmente não fecham com música, como aqueles parte de uma série, por exemplo. Mas eu gosto bastante dessa coluna e até agora ela tem poucas edições em relação à outras, portanto me puxei aqui para encontrar uma obra que fique legal com trilha sonora. Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.
O engraçado é que eu não gostei muito de Depois dos Quinze, mas logo que considerei ele, me pareceu um livro que precisava de uma trilha sonora e talvez, até ficasse melhor, mais fluído, com uma. 


Bruna Vieira tem 18 anos, é colunista da Revista Capricho e dona de um blog chamado Depois dos Quinze. Começou a escrever porque descobriu que o amor da sua vida era na verdade o amor de uma das centenas de fases que ela já viveu.
Desde então, com a ordem das palavras escritas e compartilhadas nas redes sociais, Bruna superou a timidez, viajou para a Europa, fez duas tatuagens, mudou de vez para São Paulo e tornou-se uma das adolescentes brasileiras mais influentes da internet com milhares de fãs-leitoras-amigas-seguidoras.
Nesse livro você encontra uma mistura de histórias, desabafos e segredos de uma garota que nasceu no interior, ama animais, usa boinas coloridas e ainda acredita no amor simples e verdadeiro.


Dessa vez, as faixas escolhidas tem a ver não exatamente com o livro, os contos em si, mas sobre o que eles falam: a adolescência. Muitas delas eu ouvi antes dos 15, outras mais tarde, mas todas são especiais para mim de algum jeito, nem que apenas pelo simples prazer de ouvi-las.
Depois que já tinha criado a playlist, me lembrei que a Bruna deixou dicas de músicas no próprio livro também, porém eu não pus nenhuma delas aqui, já que não é essa a intenção. Contudo, podem conferi-las aqui. Enfim, gostaria de saber se alguém aí tem um livro necessitando de trilha sonora, pois daí vejo o que posso fazer para a próxima playlist literáriaGostaram ou se identificaram?

Não sei se sabem, mas atualmente eu estou lendo a série Os Instrumentos Mortais, vou começar Cidade do Fogo Celestial amanhã. Porém, bem antes de Clary e Jace se conhecerem na Pandemônio e a garota descobrir que é uma caçadora de sombras, Will, Jem e Tessa já estavam arrasando nossos corações, no Instituto de Londres. E como gosto de mostrar algo relacionado à minha leitura atual, aqui vai a compilação das fanarts mais bonitas de As Peças Infernais.







Sim, tem um Wem ali no meio. Quem quiser pode relevar, mas não falar mal do ship alheio por favor, algum leitor daqui deve gostar ou pelo menos já ter pensado na possibilidade. Enfim, acabei botando alguns fanmades também, porque isso não deixa de ser um tipo de fanart e eles estão muito lindos e bem feitos! Estou pensando em fazer isso todas as vezes. Vocês já leram API? Achei que faltou um pouco de Jessa, mas passa, haha.